Quem, onde, quando?
[ por Renato Saboya arquiteto e Urbanista ]

Nascido na cidade do Rio de Janeiro, onde viveu até os oito anos, Alexandre de Souza Freire morou também em Manaus e em São Paulo antes de chegar a Florianópolis, em 1992. Graduou-se em Arquitetura e Urbanismo, curso que certamente teve influência não apenas no seu interesse pelas artes plásticas, mas também na temática adotada em suas telas. Ainda na graduação, estagiou no Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN). Lá, teve contato com a luta da instituição, muitas vezes heróica, pela preservação do nosso patrimônio, enfrentando a escassez de recursos e a incompreensão da comunidade, que muitas vezes dá as costas ao que é na verdade sua maior riqueza…
 Ainda na Arquitetura apaixonou-se pela Arte Moderna, por influência dos trabalhos de Lúcio Costa, Oscar Niemeyer, Vilanova Artigas e outros arquitetos modernos. Seu trabalho também tem influência dos quadrinhos, uma paixão de infância, e da fotografia. Os quadrinhos influenciaram nos traços dos desenhos, enquanto que a fotografia traz ao seu trabalho enquadramentos inusitados, incomuns, muitas vezes recortados sobre detalhes do cotidiano.
O resultado dessa mistura são quadros com grande expressividade, combinando o desenho gestual com cores fortes e contrastantes, de uma beleza plástica quase constrangedora quando contrastada com a singeleza dos temas. As obras fazem saltar aos nossos olhos a beleza existente naquilo que é comum e que, de outra maneira, talvez não perceberíamos. Essa beleza torna-se explícita através de um jeito diferente, próprio do artista, de perceber as coisas. Durante o seu processo criativo, idéias e pensamentos desenham um discurso que, antes de se materializar em palavras, é pura imagem.
O encontro com a Arquitetura talvez tenha sido um caminho alternativo, ou talvez um atalho mais longo, para a arte. De qualquer modo, um caminho natural para quem se define como “arquiteto por formação e artista por necessidade da alma”.

Anúncios